Informações sobre seminários
EMail

12º Seminário NECAT – Crise e perspectivas daEconomia Brasileira

12 seminário


11º Seminário NECAT – O Brasil pós-golpe: dilemas políticos e socioeconômicos

Sem título


10º Seminário NECAT – Mudanças na política de descentralização do estado de Santa Catarina

1


 

9º Seminário NECAT – Comércio externo de SC no cenário de crise econômica

Desde 2008 a economia brasileira vem sofrendo os efeitos da situação econômica mundial. Mesmo com todas as políticas adotadas desde então, o país não se encontra imune aos efeitos da crise sistêmica global. Particularmente em relação ao comércio externo ocorreram impactos negativos, tanto no Brasil como em Santa Catarina, decorrentes do esgotamento da capacidade econômica dos países mais afetados pela crise e que são importantes parceiros comerciais. O resultado imediato foi a geração de déficits na balança comercial do país e de Santa Catarina.

Posicionando-se entre as principais economias regionais do país, o estado catarinense conseguiu se manter inserido no contexto comercial internacional, especialmente em função de sua estrutura produtiva regionalizada e bastante diversificada.

Neste cenário, o Seminário NECAT procurará analisar e debater os efeitos da situação econômica atual sobre o comércio externo catarinense, com ênfase na dinâmica das exportações e das importações e nos principais desafios num contexto de crise.

9 seminário


 

8º Seminário NECAT – Demografia e migrações em SC no limiar do século XXI

O Censo Demográfico do IBGE de 2000 confirmou o processo de mudança populacional que estava em curso em Santa Catarina nas últimas duas décadas. Para muitos analistas, naquele momento conformava-se a chamada “litoralização de SC”, com expressiva concentração da população na faixa litorânea, concomitantemente ao aparecimento de vazios demográficos em algumas microrregiões do interior. Este tema esteve no centro das preocupações da Reforma Político-Administrativa do Estado implementadas pelos Governos de Santa Catarina a partir do ano de 2003, cujas ações visavam reduzir as disparidades regionais e, ao mesmo tempo, estancar o processo de deslocamento das populações das áreas rurais e de cidades do interior do estado em direção ao litoral. Passados mais de dez anos dessas ações governamentais, é importante fazer novas reflexões sobre essa temática, à luz de informações mais atualizadas. Este é o objetivo fundamental do 8º Seminário NECAT, que tem como pontos centrais as discussões sobre a demografia e as migrações catarinenses no início do século XXI.

Seminário


7º  Seminário NECAT – Desenvolvimento regional em Santa Catarina: cenários e desafios

Seminário paint

Informes sobre o 7º seminário NECAT

A temática do desenvolvimento regional vem ganhando espaço cada vez maior nos estudos e debates acadêmicos, bem como na formulação de políticas públicas destinadas à promoção do desenvolvimento de uma determinada região, estado ou país. Essa é uma temática de extrema relevância para o estado de Santa Catarina, uma vez que, à medida que o processo colonizador foi avançando, configurou-se um sistema econômico e social regionalizado que, embora tenha se integrado parcialmente em nível estadual, desenvolveu uma dinâmica de interligação também com cidades pólos regionais de outras unidades da federação. Mesmo assim, atualmente o estado catarinense é visto como um exemplo de um processo de desenvolvimento socioeconômico equilibrado, comparativamente ao conjunto do país.

Com o objetivo de ampliar as discussões sobre essa temática, foi realizado o 7º Seminário NECAT no dia 29/04/2015 (quarta-feira), atividade que contou com a presença dos palestrantes Alcides Goularti Filho, professor da UNESC, e Luiz Carlos Mior, Diretor de Planejamento da Secretaria de Estado do Planejamento de Santa Catarina. Tal evento foi mediado e coordenado por Lauro Mattei, professor da UFSC e coordenador do NECAT. Estiverem presentes no auditório do Centro Socioeconômico professores e estudantes de diversas unidades de ensino da UFSC, bem como professores e estudantes de outras universidades, além de pessoas de órgãos estaduais e membros da comunidade externa.

Foto 0

Inicialmente o professor Lauro Mattei apresentou o conteúdo da Revista NECAT nº 6, cuja edição trata exclusivamente do tema do desenvolvimento regional em Santa Catarina. A atividade contou com a participação de autores da revista, destacando-se a presença do economista graduado pela UFSC, Felipe Anderson França, o qual comentou rapidamente o conteúdo de seu artigo que registra a dinâmica da região do Alto Vale do Itajaí.

Na sequência o professor Lauro Mattei fez uma breve discussão da importância da temática do desenvolvimento regional em Santa Catarina, chamando atenção para a formação história do estado e para a conformação de sistemas produtivos com características regionalizadas, porém integradas aos sistemas produtivos estadual e nacional. Feita essa breve introdução passou-se a palavra aos dois palestrantes convidados.

O professor Alcides Goularti Filho analisou o desempenho recente da economia catarinense, destacando a formação socioespacial e as especificidades existentes em cada uma das seis mesorregiões do Estado. A exposição foi feita com o auxílio de dados e informações sobre a trajetória do crescimento do PIB em Santa Catarina em relação ao Brasil; a taxa média de crescimento dos setores industriais; a taxa média do crescimento do emprego que como observado foi superior à média brasileira entre 1985 e 2006, o desempenho da balança comercial, dentre outros. Retomar o planejamento estadual, participar ativamente do PAC III e melhorar a relação política com o executivo federal foram as principais conclusões destacadas pelo palestrante.

Luiz Carlos Mior iniciou sua fala enfatizando o impacto que a relação histórica de Santa Catarina teve com o desenvolvimento regional, a importância do planejamento na intervenção do estado, a constituição de secretarias, os movimentos a fim de discutir o desenvolvimento a partir das regiões e por fim a criação das Secretarias de Desenvolvimento Regional (SDRs) que ocorreu em 2003. O cenário atual é considerado positivo em relação a outros estados brasileiros, uma vez que Santa Catarina apresenta o 3º lugar no ranking de IDH (2010), maior Expectativa de Vida, menor Taxa de Mortalidade Infantil e o 5º maior PIB per capita.

Após as falas dos palestrantes, ocorreu o debate com o público presente, momento em que diversas questões relativas ao cenário atual e perspectivas do desenvolvimento regional catarinense foram discutidas.

Com isso, mais uma vez o NECAT cumpriu sua função acadêmica e social, ao organizar o seminário e promover discussões amplas sobre questões pertinentes ao desenvolvimento de Santa Catarina.


6º seminário NECAT – A desindustrialização brasileira e seus impactos sobre a economia catarinense

NECAT


5º Seminário NECAT – A Atualidade da questão agrária brasileira

Folder em foto

Informes sobre o 5º seminário NECAT

O 5º seminário NECAT realizado na última sexta-feira (22/08/2014), contou com a presença dos palestrantes Gerson Teixeira, presidente da ABRA, e Guilherme Delgado, pesquisador aposentado do IPEA, tendo sido mediado pelo professor da UFSC Lauro Mattei.

O auditório Fórum Norte da Ilha contou com a presença de um público bastante interessado, dentre eles professores e estudantes de diversos centros da UFSC, bem como pessoas da comunidade externa.

DSC00179

O seminário teve como principal foco o debate sobre o tema da Reforma Agrária no contexto brasileiro atual. O presidente da ABRA deu um enfoque mais estatístico no tema abordado, utilizando dados tanto do Brasil como mundiais para explicar o cenário de expansão do agronegócio. Utilizando uma consistente base de dados da FAO e da OCDE o palestrante mostrou que o custo da produção vem aumentando cada vez mais, o que poderá tornar inviável a produção de alimentos na lógica atual.

Já Guilherme Delgado, pesquisador do IPEA, colocou em debate o fato de que o Brasil não passou por um processo de reforma agrária, e sim apenas por um processo de distribuição de terras, muitas vezes de forma desigual e sem critérios. Além disso, destacou que se formou no país o pacto da economia política do agronegócio, o qual impede qualquer alteração na propriedade da terra no país.

Após o término da fala dos palestrantes, a palavra foi aberta ao público, momento em que foi levantada uma série de questões relativas ao assunto geral do seminário.

DSC00177

Ao final, o público contou com o lançamento da Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária – ABRA, e do livro “A Questão Agrária no Desenvolvimento Brasileiro Contemporâneo”, organizado pelo professor Lauro Mattei.


4º Seminário NECAT – Planejamento e descentralização administrativa em Santa Catarina

Informes sobre o 4º seminário NECAT

Com a presença de um público interessado, foi realizado na noite do dia 20.05.2014 (terça-feira) no auditório do CSE, o quarto seminário NECAT, que tratou dos temas do planejamento e da descentralização administrativa em Santa Catarina.

O evento contou com a presença dos palestrantes Ivo Theis, professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da FURB, e Murilo Flores, Secretário de Planejamento do estado de Santa Catarina, tendo sido mediado pelo professor Lauro Mattei, coordenador do NECAT-UFSC.

Tanto as falas dos palestrantes como as considerações dos participantes giraram em torno dos temas relativos à trajetória histórica do planejamento governamental no estado de Santa Catarina, bem como sobre o processo político de descentralização administrativa das ações governamentais impulsionado, sobretudo, a partir da Constituição Federal de 1988.

No caso específico do estado catarinense, destacou-se a importância sobre o desenvolvimento estadual da experiência em curso desde 2003 do processo de descentralização política. Neste caso, os temas da participação dos atores sociais nos espaços de gestão das políticas públicas; dos planos regionais de desenvolvimento; da própria estrutura governamental (SDRs/CDRs); e do custeio orçamentário desta nova forma de organização governamental dominaram os debates.

Ao final do seminário, ficou evidente que existe um conjunto de questões que ainda precisam ser melhor discutidas, especialmente aquelas de cunho puramente administrativo e aquelas voltas às proposições estratégicas para o desenvolvimento regional catarinense. No primeiro caso, sobressaem as questões relacionadas aos conflitos entre secretarias setoriais e as próprias SDRs e destas com outras organizações locais e regionais, como as associações de municípios. No segundo caso, ficou evidente que tanto os planos regionais de desenvolvimento como a própria participação dos atores sociais na gestão deste processo estão distantes das proposições iniciais desta iniciativa governamental, precisando ser recolocados na agenda pública.

Por considerar que essas questões deverão permear as discussões do processo eleitoral de 2014 que se avizinha, entendemos que o NECAT (Núcleo de Estudos de Economia Catarinense) buscou dar a sua contribuição para o debate de temas tão cruciais para o conjunto da população catarinense.


3º Seminário NECAT – Transportes e formação regional em Santa Catarina

Informes sobre o 3º Seminário NECAT

O 3º Seminário do Necat realizado nesta segunda-feira (04/11), teve como convidado o pesquisador Alcides Goularti Filho, professor da Unesc de Criciúma, autor do clássico “Formação Econômica de Santa Catarina”.

O mini auditório de economia ficou repleto, e contou com grande participação de professores e estudantes de diversos Centros da UFSC, bem como do público externo, demonstrando a importância fundamental de um núcleo de estudos da socioeconomia de catarinense, possibilitando ir para além das salas de aula.

Foi uma excelente oportunidade para debater os resultados das pesquisas do autor sobre as dinâmicas do desenvolvimento regional e as peculiaridades locais.

Na sua fala Goularti Filho descortina sua visão sobre a vida e o cotidiano dos portos, das ferrovias e das rodovias na formação histórica da socioeconomia catarinense. Recupera a trajetória histórica dos sistemas de transporte, aspectos da infraestrutura econômica do século XIX ao XX, destacando que os portos e a malha ferroviária tiveram seu surgimento associado à ocupação, demarcação e povoamento do território de Santa Catarina.

Os temas principais da exposição envolveu as estratégias de desenvolvimento regional relacionadas com a construção e duplicação de rodovias, reestruturação dos portos e do modelo das ferrovias.

Estes temas foram extensamente relatados no livro “Portos, Ferrovias e Navegação em Santa Catarina”, lançado pela Editora da UFSC na sequência do seminário, e contou com a presença do Diretor Executivo da editora, Fabio Lopes da Silva.

O livro explora a memória histórica dos diversos portos de Santa Catarina, desde a antiga Desterro (e os projetos alternativos à Desterro, como os da Ilha de Anhatomirim e do Maciambu), até os portos de Imbituba, Laguna, Itajaí, Navegantes Itapoá e São Francisco do Sul. Goularti Filho também dá ênfase à malha ferroviária de Santa Catarina que interligava as diversas regiões, como as do Vale do Itajaí, e dois grandes troncos, a Estrada de Ferro Dona Tereza Cristina que historicamente transportou a produção de carvão, e a Companhia Estrada de Ferro São Paulo-Rio Grande que transportou madeira e a produção pecuária, interligando estas com outras regiões do Brasil.

Hoje, as microrregiões de Santa Catarina estão mais integradas com a economia nacional através destes troncos ferroviários e das malhas rodoviárias, e exporta suas mercadorias através dos seus principais portos, Itajaí e São Francisco do Sul.


2º  Seminário NECAT – Expansão urbana em Santa Catarina

 

 Informes sobre o 2º seminário NECAT

Mesmo numa terça-feira a noite chuvosa, dezenas de interessados atenderam ao convite e compareceram ao seminário sobre “Expansão urbana em Santa Catarina” organizado pelo NECAT, o que revela a importância de um núcleo de estudos enquanto espaço organizador e articulador dos debates acadêmicos para além das salas de aula.

De uma forma geral, se discutiu a trajetória recente do desenvolvimento e expansão da urbanização no estado de Santa Catarina que, com sua grande diversidade territorial e social, vem enfrentando um adensamento cada vez maior de sua população e da construção civil na região litorânea, em especial nas regiões da Grande Florianópolis e de Itajaí – Balneário Camboriú.

Este fenômeno de urbanização, e conurbação crescente da faixa litorânea, coloca um conjunto de desafios para as políticas públicas, em especial para se pensar as estratégias de planejamento urbano. Neste caso, destacam-se algumas políticas, particularmente, as de mobilidade urbana, de habitação e saneamento e as políticas de emprego e renda.

Especificamente em relação às estratégias da política habitacional, destacou-se os erros de se reproduzir projetos de habitações baseados em experiências de trajetórias de décadas passadas que previam a construção de conjuntos concentrados de casas e apartamentos, dispersos e isolados da dinâmica das cidades onde se localizam.