Núcleo de Estudos de Economia Catarinense
  • Na segunda semana de 2022 os casos ativos apresentaram o maior patamar durante toda pandemia

    Publicado em 15/01/2022 às 18:19

    Desde o início da pandemia o NECAT-UFSC produziu análises semanais da evolução da COVID-19 no estado de Santa Catarina, as quais foram publicadas em 85 boletins, que podem ser conferidos aqui. A partir de 2022 esses boletins terão periodicidade mensal. Em função disso, passamos a publicar semanalmente o Informe Semanal, que de maneira mais concisa, tratará apenas da evolução de alguns indicadores cruciais relativos ao comportamento da pandemia no estado.
    Foi publicada a edição de número 02 do Informe Semanal, com o título “Na segunda semana de 2022 os casos ativos apresentaram o maior patamar durante toda pandemia” e assinado pelo professor Lauro Mattei, coordenador geral do NECAT/UFSC.

    Para fazer a leitura completa, basta clicar aqui ou acessar a aba Informes Semanais.


  • Renda das famílias catarinenses caiu 10% em 2020, mesmo com o Programa Auxílio Emergencial

    Publicado em 11/01/2022 às 20:17

    Por: Vicente Loeblein Heinen[1] e Lauro Mattei[2]

    A renda total que cada família dispõe pode ser composta por diversas fontes. Para a maioria da população, a principal delas é o trabalho, seja ele realizado por um ou mais membros do domicílio. Desde o início da pandemia da Covid-19, temos acompanhado precisamente o comportamento dessa fonte de renda, que é a única cujos dados são disponibilizados trimestralmente pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC)[3]. As informações referentes às demais fontes de renda são divulgadas apenas na versão anual da PNADC, que teve sua edição de 2020 divulgada pelo IBGE em dezembro de 2021. Tais dados subsidiaram a Síntese dos Indicadores Sociais (SIS) de 2020, também recentemente divulgada.

    No âmbito nacional se observou que o rendimento médio per capita foi de R$ 1.349 em 2020, representando uma queda de 4,3% em relação a 2019, quando essa cifra foi de R$ 1.410. Segundo a SIS 2020, caso não tivessem sido ampliados os programas sociais de transferência de renda, essa queda teria sido de 8,4%, colocando o rendimento geral do país no patamar de R$ 1.269. Além disso, com os programas sociais, o Índice de Gini – que mede a desigualdade de renda – sofreu uma queda de 3,7%, passando do patamar de 0,544 (2019) para 0,524 (2020). Caso não tivessem sido implementados os benefícios sociais, esse índice teria atingido a marca de 0.573, correspondendo a um aumento de 2,3%.
    Continue a leitura » »


  • A explosão dos casos ativos na primeira semana de 2022

    Publicado em 08/01/2022 às 11:46

    Desde o início da pandemia o NECAT-UFSC produziu análises semanais da evolução da COVID-19 no estado de Santa Catarina, as quais foram publicadas em 85 boletins, que podem ser conferidos aqui. A partir de 2022 esses boletins terão periodicidade mensal.
    Em função disso, está sendo lançado o primeiro número do Informe Semanal, com o título “A explosão dos casos ativos na primeira semana de 2022” e assinado pelo professor Lauro Mattei, coordenador geral do NECAT/UFSC. De maneira mais concisa, o informe tratará apenas da evolução de alguns indicadores cruciais relativos ao comportamento da pandemia no estado, cujo cenário sofreu fortes alterações na passagem para o ano que se inicia.

    Para fazer a leitura completa, basta clicar aqui ou acessar a aba Informes Semanais.


  • Retração acentuada em outubro aprofunda tendência de quedas do volume de serviços catarinense

    Publicado em 06/01/2022 às 15:23

    Por: Andrey Ide[1]

    Panorama sobre o desempenho do setor de serviços no Brasil em outubro de 2021

    Acompanhando o início de uma trajetória descendente registrada na passagem de agosto para setembro (-0,68%), o volume de serviços brasileiros segue em queda. Na passagem de setembro para outubro a retração foi de -1,2%. Juntos, os resultados acumulados do último bimestre chegam a quase – 1,9%. Os dados são da Pesquisa Mensal de Serviços divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (PMS-IBGE) em 14 de dezembro.

    Segundo Rodrigo Corrêa Lobo, responsável pela gerência da Diretoria de Pesquisas, um reajuste nas tarifas de telefonia fixa (+7,3%) impactou negativamente o setor de telecomunicações (-2,2%). Essa pressão altista também afetou outros subsetores como o de transportes aéreos (-5,3%), o de serviços técnico-profissionais (-4,1%) e outros serviços (-6,7%). Com maior precisão, outros serviços englobam: compra, venda e aluguel de imóveis, administração de: condomínios, centros comerciais e outros imóveis, de bolsas de mercados, intermediação em transações de títulos, valores mobiliários e mercadorias, manutenção e reparação de veículos automotores, de equipamentos eletroeletrônicos, computadores de uso pessoal e doméstico, administração de fundos por contrato ou comissão, corretagem de seguros, previdência complementar e planos de saúde, além de atividades de apoio à pecuária, produção florestal, coleta de resíduos, reciclagem, gestão de esgoto, descontaminação de solos e águas, entre outros.
    Continue a leitura » »


  • Cenário da Covid-19 em Santa Catarina ao final do ano de 2021

    Publicado em 04/01/2022 às 10:02

    Foi publicada a edição de número 85 do Boletim da Covid-19 em Santa Catarina. O título da edição é “Cenário da Covid-19 em Santa Catarina ao final do ano de 2021” e foi assinada pelo professor Lauro Mattei, coordenador geral do NECAT/UFSC.

    Para fazer a leitura completa, basta clicar aqui ou acessar a aba Boletins.


  • Acompanhamento do mercado de trabalho brasileiro: PNAD Contínua 10/2021

    Publicado em 29/12/2021 às 15:41

    Já está disponível o relatório com a análise dos principais resultados nacionais da PNAD Contínua divulgados dia 28/12/21 pelo IBGE.Essas informações dizem respeito ao trimestre encerrado em outubro de 2021 e podem ser conferidas, juntamente com os relatórios anteriores, na aba Estatísticas do Mercado de Trabalho do Brasil.


  • Santa Catarina lidera queda da produção industrial no Brasil em outubro de 2021

    Publicado em 23/12/2021 às 10:23

    Por: Matheus Rosa[1]

    A Produção Física Industrial registrou nova rodada de retrações em outubro de 2021, no Brasil e em Santa Catarina. É o que mostra a mais recente Pesquisa Industrial Mensal do IBGE (PIM-PF/IBGE), que aufere o desempenho do setor industrial do Brasil e de 14 Unidades da Federação (UFs) a partir da coleta de indicadores de curto prazo relativos ao produto real das indústrias extrativas e de transformação. Em outubro, foi de -0,6% a retração da indústria geral no Brasil, consolidando o quinto resultado negativo seguido na série mensal com ajuste sazonal. Já em Santa Catarina, a mesma série apresentou queda de -4,7%, a maior retração dentre todas as UFs pesquisadas, reforçando o diagnóstico sobre o péssimo desempenho do setor industrial catarinense nesse segundo semestre.

    O saldo das UFs restantes corrobora esse quadro negativo, com o registro de retrações e de variações de estagnação em 9 dos 14 estados pesquisados. Como mencionado, o pior resultado é de Santa Catarina (-4,7%), seguido por Pará (-4,2%), Minas Gerais (-3,9%) e São Paulo (-3,1%). É válido destacar que, para além da própria magnitude das retrações, esses resultados representam adversidades pois partem de UFs com participação importante na indústria nacional, a exemplo de São Paulo, que possui o maior parque industrial do país.
    Continue a leitura » »


  • A pobreza no estado de Santa Catarina ao final do ano de 2020

    Publicado em 22/12/2021 às 10:03

    Por: Lauro Mattei[1]

    As distintas concepções e mensurações da pobreza

    Há mais de um século estão sendo usadas diversas concepções sobre pobreza nas discussões internacionais e nos trabalhos comparativos. Elas estão relacionadas às ideias de subsistência, necessidades básicas e privações relativas. Tais concepções têm influenciado as políticas públicas por mais de 100 anos em muitos países do mundo, sendo que a abrangência das mesmas vai se expandindo à medida que a compreensão desse fenômeno social também vai evoluindo.

    Neste caso, destaca-se a concepção das privações relativas desenvolvida no início do século XXI, a qual sugere que a pobreza não se refere apenas à privação da renda, mas também à privação de outros recursos materiais e privação de acesso aos serviços sociais, especialmente nas áreas de saúde, educação, alimentação, nutrição e saneamento básico. Isto porque se considera que as pessoas que vivem no presente não estão sujeitas as mesmas leis, obrigações e costumes aplicados aos períodos anteriores, o que, de alguma forma, ajuda a entender porque o padrão da pobreza muda com as mudanças nas próprias sociedades.
    Continue a leitura » »


  • 70% das novas vagas de emprego formal do estado pagam de 1 a 2 salários mínimos em outubro

    Publicado em 21/12/2021 às 14:38

    Por: Allan da Cruz Lopes[1] e Victor Hugo Azevedo Nass[2]

    Dando sequência aos acompanhamentos mensais publicados no Blog do Necat, o objetivo deste texto é analisar o comportamento do mercado formal de trabalho do Brasil e de Santa Catarina em outubro de 2021, a partir dos resultados do Novo CAGED[3]. Para isso, serão analisados os saldos mensais e as variações relativas do emprego formal por grupamento de atividade econômica, gênero, escolaridade, faixa de remuneração e mesorregião geográfica.

    De acordo com a Tabela 1, em outubro o Brasil apresentou saldo positivo de aproximadamente 253 mil vínculos formais de trabalho, porém vem diminuindo o seu ritmo de criação de empregos, decaindo para 0,6%. Já Santa Catarina teve saldo de 17,7 mil novos vínculos, tendo novamente uma  alta de 0,8% no mês. 
    Continue a leitura » »


  • Taxa de transmissão da Covid-19 ainda é elevada em Santa Catarina

    Publicado em 20/12/2021 às 11:36

    Foi publicada a edição de número 84 do Boletim da Covid-19 em Santa Catarina. O título da edição é “Taxa de transmissão da Covid-19 ainda é elevada em Santa Catarina” e foi assinada pelo professor Lauro Mattei, coordenador geral do NECAT/UFSC.

    Para fazer a leitura completa, basta clicar aqui ou acessar a aba Boletins.


  • Retrospectiva 2021: Blog do Necat

    Publicado em 18/12/2021 às 13:48

    Em 2021, o NECAT deu continuidade a publicação de análises sobre os temas mais patentes à socioeconomia catarinense no Blog do Necat. Confira a retrospectiva destes textos, segundo os principais eixos temáticos abordados ao longo do primeiro semestre do ano:
    Continue a leitura » »


  • O mercado de trabalho catarinense ao final do terceiro trimestre de 2021

    Publicado em 17/12/2021 às 20:10

    Por: Lauro Mattei[1] e Victor Hugo Azevedo Nass[2]

    Breves notas sobre o cenário geral do emprego no país

    Ao final de novembro/21 o IBGE divulgou os resultados da PNAD Contínua relativa ao terceiro trimestre de 2021. Os principais indicadores desse instrumento estatístico são construídos com base no conceito de força de trabalho, que é a soma da população ocupada (que estava trabalhando na semana de referência da pesquisa) e desocupada (que não estava trabalhando, mas que procurou trabalho no mês de referência da pesquisa e que estava disponível para assumir uma vaga, caso encontrasse).

    Considerando-se que o mercado de trabalho de Santa Catarina continua sendo impactado pelos movimentos gerais da economia do país, apresenta-se inicialmente uma breve síntese de situação geral do mercado de trabalho brasileiro em tempos de pandemia.  Em primeiro lugar, se constata que a taxa de desocupação sofreu uma queda de 1,6 ponto percentuais em relação ao segundo trimestre de 2021, passando de 14,2% (Trimestre anterior) para 12,6% (3º Trimestre/21). Em termos absolutos, isso significou a existência de 13,5 milhões de pessoas desocupadas.

    Espacialmente, observou-se uma redução de tal taxa em 20 das 27 Unidades da Federação (UFs) pesquisadas, sendo que as maiores taxas foram verificadas em PE (19,3%), BA (18,7%), AP (17,5%) e AL (17,1%).  Já as menores taxas de desocupação foram registradas em SC (5,3%), MT (6,6%) e MS (7,6%). Todavia, quando essas informações são cruzadas por gênero e raça, as disparidades se tornam bastantes expressivas no conjunto do país. Enquanto a taxa de desocupação para os homens foi de 10,1%, para as mulheres atingiu o patamar de 15,9%. Já em relação à raça, essa taxa dos brancos foi de 10,3% e a dos pretos 15,8%.
    Continue a leitura » »


  • Volume de vendas do comércio catarinense apresenta retração pelo terceiro mês consecutivo

    Publicado em 15/12/2021 às 19:05

    Por: Matheus Rosa[1] e Guilherme Razzini[2]

    Os dados relativos ao desempenho do comércio divulgados pela Pesquisa Mensal do Comércio (PMC-IBGE) na última semana, com dados referentes a outubro, mostram um cenário de quedas generalizadas no volume de vendas nacional e estadual. Este saldo negativo se apresentou através das quedas mensais, observadas na série mês a mês com ajuste sazonal e também na comparação com o desempenho de outubro de 2021. Já em relação aos acumulados, contudo, continua o cenário de variações positivas.

    Com isso, o comércio varejista ampliado nacional registrou queda pelo terceiro mês consecutivo, consolidando saldo de retração de -5% desde o índice registrado em julho. Nesse mesmo período, a retração acumulada nos dados de Santa Catarina é ainda mais significante, com saldo de -10,8% após a retração de outubro. Ambos os saldos expressam as dificuldades do setor comercial na manutenção do nível de vendas a partir do segundo semestre desse ano, o que se relaciona, principalmente, com a desaceleração econômica e o avanço do movimento inflacionário.  
    Continue a leitura » »


  • Política de incentivos fiscais em Santa Catarina: limites e insuficiência na promoção do desenvolvimento regional

    Publicado em 14/12/2021 às 16:51

    Por: Juliano Giassi Goularti[1]

    “Não é, contudo, o grau de centralização política, decisória e financeira que define a qualidade e a eficiência dos sistemas federativos.”

    Sergio Prado, 2013.

    Incentivos fiscais e guerra fiscal: breve contextualização

    A política de incentivos fiscais praticada pelos estados brasileiros é uma prerrogativa do ente federativo, conforme dispõe a Constituição Federal de 1988. Dentro da autonomia relativa e independência fiscal dos estados, a política de incentivar a iniciativa privada através da renúncia do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS) passou a ser utilizada pelos governadores como instrumento de desenvolvimento econômico para fomentar determinada atividade – ampliar o parque fabril, construir nova planta industrial, adquirir novo maquinário, investir em produto e processo de inovação, atrair novas indústrias ou manter aquelas já existentes.

    Os benefícios de ICMS não podem ser realizados sem a aprovação de Convênio no âmbito do colegiado do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), devem estar dentro dos dispostos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)[2] e não podem desrespeitar a Constituição Federal. O descumprimento de qualquer um dos procedimentos implica a inconstitucionalidade da lei concessiva da renúncia do imposto. A norma jurídica aduziu que o gestor público tem por objetivo buscar o equilíbrio financeiro e controlar a renúncia de receita.
    Continue a leitura » »


  • Casos ativos atingiram menor patamar desde maio de 2020

    Publicado em 13/12/2021 às 12:35

    Foi publicada a edição de número 83 do Boletim da Covid-19 em Santa Catarina. O título da edição é “Casos ativos atingiram menor patamar desde maio de 2020” e foi assinada pelo professor Lauro Mattei, coordenador geral do NECAT/UFSC.

    Para fazer a leitura completa, basta clicar aqui ou acessar a aba Boletins.